Brasília, 08/05/2017 – Está aberto até 29 de julho de 2018 o prazo de migração para o Regime de Previdência Complementar (RPC). O servidor que ingressou no serviço público federal do Poder Executivo antes de 04 de fevereiro de 2013 ou no Poder Legislativo antes de 07 de maio de 2013 (datas da instituição do RPC) pode optar por migrar de regime previdenciário: das regras do Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) para o RPC.

O período de migração foi reaberto pela Lei nº 13.328/2016. A transição pode ser feita pelo período de 24 meses, a contar da data da sanção da lei, em 29/07/2016.

Decisão individual, de caráter irrevogável e irretratável, a migração gera muitas dúvidas nos servidores. A Funpresp criou um Perguntas e Respostas para responder os questionamentos e dar ao servidor todas as informações necessárias para essa tomada de decisão.

Acesse aqui o Perguntas e Respostas sobre migração para o RPC

Foi pensando nisso e na possibilidade de diversificação que o Regime de Previdência Complementar (RPC) permite, que o gerente de Análises e Operações Financeiras da Funpresp e analista do Banco Central do Brasil (BCB), Gustavo Ottoni, optou por realizar a migração em fevereiro deste ano. “Eu percebi então que, ao migrar para a Previdência Complementar, eu passo a ter um pouco mais de controle sobre a minha aposentadoria”, afirmou. – Clique aqui para ler a entrevista completa.

Ativo alternativo – Quem preferir se manter no RPPS também pode aderir à Funpresp, mas como Participante Ativo Alternativo. Ou seja, sem a contrapartida da União. Neste caso, há outras vantagens, como a contratação dos benefícios do risco, invalidez e morte e dedução das contribuições no Imposto de Renda.

Mais informações sobre essa forma de adesão aos planos de benefícios da Funpresp pelo Fale Conosco – clique aqui – ou pelo 0800 282 6794.