fbpx

Ricardo Pena, Amarildo Vieira, Dias Toffoli e Laurita Vaz falaram sobre a importância de discutir sobre Previdência Complementar

O Seminário Funpresp “A previdência Complementar dos Servidores Públicos”, realizado no Supremo Tribunal de Justiça – STJ, nesta segunda feira (11), teve início às 9h30, com a participação do vice-presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli e da presidente do STJ, Laurita Vaz. “Temos que estudar e debater o que se pode melhorar em governança, em tributação, já que falamos de entidades sem fins lucrativos. Também é fundamental falar sobre a possibilidade de servidores do regime antigo migrarem de regime”, destacou o presidente da Funpresp-Exe, Ricardo Pena.

Ele lembrou que a Funpresp é fruto da reforma da previdência realizada em 2013 e por isso o assunto Previdência Complementar ainda é muito recente para os servidores públicos.

A presidente do STJ, Laurita Vaz, destacou a importância em se discutir o tema Previdência Complementar, por ser um assunto novo gera muitas dúvidas. O ministro Dias Toffoli frisou que os tempos mudaram, o mundo se transformou e assim foi feito também com a previdência, por isso é necessário estar atento a essas mudanças e aceita-las. E assim entender como funciona a Previdência Complementar.

Seminário Funpresp

Amarildo Vieira, diretor-presidente da Funpresp-Jud, finalizou lembrando que a Previdência Complementar simboliza a esperança na revitalização do sistema de aposentadoria do servidor. Antes o pensamento sobre aposentadoria era algo distante, que só era pensado quando o servidor se aproximava do fim da carreira e hoje, passou a ser emergente, exigindo a tomada de decisões já no ingresso da carreira no serviço público.